Programa lança certificação para acadêmicos que se envolverem em projetos sociais

A iniciativa Selo Social Acadêmico nasceu da ideia de certificar os acadêmicos por projetos e as ações que beneficiem a cidade, e que sejam feitos por eles, através da sua faculdade e/ou universidade. Hoje ela está embasada através da Lei nº 12.857/17, semelhante a do Selo Social tradicional. As atividades podem ser de qualquer forma, em qualquer área da Saúde, Educação, Assistência Social, Meio Ambiente, entre outros.

“A iniciativa é muito boa, só na nossa Universidade são mais de 600 projetos em 50 cursos. Agora é separar as ações e fazer o cadastro. Cada curso tem seus critérios, mas se a gente conseguir elencar alguns, a comunidade sai ganhando e os acadêmicos também”, destaca o representante da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Milton Anfilo.

Para ser certificado basta fazer a inscrição no Selo Social, ai ele acompanhará as ações. A contrapartida das instituições será de disponibilizar horas extracurriculares para os estudantes que participarem, com entrega de certificado. Todo ano terá premiação dos projetos e das faculdades que se envolverem.  “Será trabalho em equipe, a parceria fará a diferença, pois muitas vezes os acadêmicos não sabem quem está precisando mais e nós da SMAS temos os cadastrados das famílias e sabemos a realidade de cada um. Temos um leque de opções desde crianças em risco, até idosos e deficientes, a secretaria é enorme. Eles irão transformar o conhecimento em ações sociais”, diz a secretária municipal de Assistência Social, Simone Kaminiski.

A primeira ação lançada hoje foi a participação através do programa Natal Sem Fome, onde as faculdades que participarem, bem como os alunos, receberão o Selo Social Acadêmico no início de 2018. A atividade é arrecadar alimentos para montar cestas natalinas que serão doadas dia 19 de dezembro. “Não precisam ser apenas ações especificas, já marcadas pela SMAS, podem ser ações diretas dos acadêmicos, elaboradas por eles. Se assim for é só comunicar o Selo Social e o Conselho competente da ação, como por exemplo, se o projeto for educação, o Conselho de Educação deverá ser informado”, destaca a representante da coordenadora do Selo Social, Amanda Costa.

Todas as instituições de ensino superior foram convidadas, mas estiverem presentes representantes da Secal, UEPG, Universidade Federal do Paraná (UTFPR), Faculdades Ponta Grossa e Cescage.

“Estamos vivendo em uma sociedade onde o universitário faz a diferença, e com este novo projeto darems a oportunidade deles fazerem a diferença para a sociedade que mais precisa, por diversos meios e possibilidade. Mostrar que o acadêmico não é só festa e estudo, que ele é o futuro do país, através de um projeto social”, ressalta o vereador autor do projeto de lei, Rudolf Christensen (Polaco)

Selo Social

Trabalha com empresas, certificando-as pelo bom comportamento e por desenvolverem projetos de responsabilidade social externa, com a comunidade que elas estão inseridas. Trabalha investindo em projetos que fazem a diferença e que tenham proposito em áreas de saúde, educação, assistência social, meio ambiente, entre outros.

Selo Social Ouro

As empresas que fazem parte do Selo Social tradicional passam a abraçam uma causa e ajudam a revitalizar um espaço público. É uma parceria pública privada, onde a empresa investe em bens para melhor atender a população

Dois espaços dos Centro de Referência de Assistência Social (CRAR) já foram revitalizados, uma brinquedoteca e uma biblioteca, fazendo com que os espaços passassem a ser utilizados, já que antes estavam ociosos.

%d blogueiros gostam disto: