1973 - Geraldo de Castilho, técnico de rádio, considerado o melhor em sua área de atuação, tanto que era chamado de "gênio" e mesmo de "Professor Pardal", porque, além de garantir o bom funcionamento dos equipamentos da Rádio Santana, criava, inventava, para facilitar o trabalho dos colegas.

O próprio Geraldo explica a foto. Foi na transmissão do desfile de aniversário de Ponta Grossa, no dia 15 de setembro de 73, na Avenida Vicente Machado.

Ele conta que o pequeno equipamento que está em sua mão era um Walk talk, de importação americana, que  na época, era grande novidade em comunicação sem fio. Um dos melhores de então.

Ele relata que "era tão forte o transmissor, que não se podia ligá-lo perto da mesa de som Telefunken, porque interferia nos microfones. Trabalhava com 3 canais na "faixa cidadão" de 11 m 27 mhz. Pela sua potência, foi abolido das transmissões de futebol, pois interferia em todos os microfones das maletas de transmissão, até mesmo de outras emissoras".

Geraldo de Castilho era responsável técnico da transmissão e usava o equipamento para se comunicar com o estúdio da Rádio Santana.

"Naquele tempo, se me recordo bem, não havia linha de retorno da CPT (Companhia Ponta-grossense de Telecomunicações).  

Quando utilizado a poucas quadras da rádio funcionava perfeitamente; só não se podia falar de perto das maletas de transmissão", conta Geraldo.

Vale observarmos que, na época, a Rádio Santana era dirigida artisticamente pelo Abib Filho, tendo, como diretor geral o professor Hélcio de Oliveira Ladeira.

Mas, o comando geral pertencia à Diocese de Ponta Grossa, maios precisamente ao Bispo D. Geraldo Pellanda, que, em suas incontáveis viagens pelo Mundo, a serviço da Igreja Católica, sempre aproveitava para adquirir, para a Santana, os mais modernos equipamentos e até mesmo discos (LPs e compactos), antecipando-se a meses e até um ano o que viria a ser sucesso nas paradas musicais.

Na foto, Geraldo de Castilho está com sua filha Larissa Cecília, que havia desfilado naquele dia.