08/11/2016
Performance crítica marca início do Fenata

Assessoria

Dezenas de homens e mulheres, em trajes sociais, cobertos de argila e de olhos vendados, caminham lentamente, interferindo poeticamente no fluxo cotidiano da cidade. A performance ‘Cegos’ deve chamar a atenção do público ponta-grossense nesta quarta-feira, 9 de novembro. A partir das 12h, no Calçadão da Coronel Cláudio, o grupo Desvio Coletivo, junto com participantes locais, apresenta a intervenção urbana que tem feito sucesso por todo o mundo.

O trajeto inclui ainda o Terminal Central, Praça Marechal Floriano Peixoto (Praça da Catedral), Fórum de Ponta Grossa, Câmara Municipal e Prefeitura, com duração aproximada de três a quatro horas. Dirigido por Marcos Bulhões e Priscilla Toscano, da rede de criação artística Desvio Coletivo, a performance é uma obra aberta a diferentes leituras: a redução da nossa existência à função produtiva e ao consumo, o excesso de trabalho, o aprisionamento e a petrificação da vida, a automatização do cotidiano, a degeneração ética que se alastra no atual estágio da sociedade. A ação é resultado de oficina teórica e prática que aconteceu na segunda e terça-feira, na Proex, aberta ao público.

‘Cegos’ foi selecionado para integrar o Programa Palco Giratório de Teatro do Sesc em 2014; em 2015 foi contemplado pela Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz na categoria circulação, além de também já ter sido contemplado pelo edital da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo, dentro do projeto Cidades em Performance. Com passagens por praticamente todas as capitais dos Estados Brasileiros, a intervenção já foi realizada em Paris, Amsterdam, Barcelona, Ilha da Madeira e Nova York. Representou o Brasil na Quadrienal Internacional de Praga, na República Tcheca, participou da Virada Cultural de São Paulo e do Festival Internacional de Dança de Londrina (PR). Em 2016 a obra circulou no Festival Ponto.CE pelo Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura em Fortaleza (CE) e pela Escola de Artes Dramáticas da Universidade de Costa Rica, em San José (Costa Rica). Desde de sua criação, são aproximadamente cinquenta apresentações distribuídas por sete países, envolvendo em sua trajetória mais de mil participantes.

Desvio Coletivo
O Desvio Coletivo é uma rede de criação artística, que atua na zona de fronteira entre teatro, performance e intervenção urbana. A partir de espetáculos e intervenções cênicas em diferentes espaços urbanos, o coletivo pretende gerar ilhas de desordem efêmeras de natureza poética e crítica. Dirigido por Marcos Bulhões e Priscilla Toscano, integram seu núcleo artístico Fernanda Perez, Leandro Brasilio, Marie Auip, Rodrigo Severo e Sylvia Aragão. O repertório do grupo é composto pelas ações Ação n. 01 (2012), Ação n. 02 (2012), Pulsão (2012), Cegos (2012), Interditados (2015), Que morram os artistas (2015), Matrimônios (2015), Máfia (2016) e Concreto (2016).

Realização
Realizado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, e pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, por meio da FAUEPG, o 44º Fenata tem o patrocínio-máster da CCR RodoNorte e patrocínios da Caixa Econômica Federal, Moinho Cidade Bella, Viação Campos Gerais, Beaulieu do Brasil, Colégio Sepam, AP Winner, Consaúde, Tratorcase, Tratornew, MagParaná e Tozetto, além da parceria com a Prefeitura de Ponta Grossa, por meio das fundações de Cultura e de Turismo, e promoção da RPC. Apoiam também o festival a Sanepar, Deck Club, Hotel Planalto, Conselho Municipal de Política Cultural, Conselho Municipal de Turismo, TVM, Ideia Três, Ponta Grossa Campos Gerais Convention e Visitors Bureau, Aiouh Filmes, Voga Mídia Externa e Rádio Cescage 107 FM, além dos cursos de Turismo, Artes Visuais e Jornalismo da UEPG.

COMPARTILHAR

ENVIE SEU COMENTÁRIO

NOME:
EMAIL:
MENSAGEM:
*Seu comentário será avaliado e aprovado antes de ser publicado. E somente aprovaremos comentários com o nome completo e o e-mail do leitor.
- As informações e conceitos emitidos em colunas, matérias e artigos assinados são de inteira
responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente a opinião do Plantão da Cidade.