10/10/2016
Miguel Sanches Neto participa do projeto “Um Escritor na Biblioteca”

O escritor Miguel Sanches Neto participa no dia 19 de outubro, a partir das 19h30, do projeto “Um Escritor na Biblioteca”. O encontro acontece no auditório da Biblioteca Pública do Paraná. Durante o bate-papo, o convidado fala, entre outros assuntos, sobre a sua trajetória e de sua relação com livros e bibliotecas. A mediação da conversa será feita pelo jornalista Christian Schwartz. A entrada é gratuita.

Paranaense de Bela Vista do Paraíso, Sanches Neto vive em Ponta Grossa, leciona na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). É autor de mais de trinta livros, entre crítica, poesia, crônicas e contos. Em sua obra, destacam-se os romances Chove sobre minha infância, Um amor anarquista e A máquina de madeira, este último traduzido para o francês e finalista dos prêmios São Paulo e Portugal Telecom.

Em 2016, o autor lançou A Bíblia do Che, romance ambientado principalmente em Curitiba, sobretudo na região da Praça Osório, que retoma o protagonista do romance A primeira mulher, o professor Carlos Eduardo. O personagem é contratado para localizar um exemplar de uma Bíblia que pertenceu a Che Guevara, que teria anotações feitas por ele durante uma de suas passagens pelo Brasil.

“Um Escritor na Biblioteca” é um projeto realizado pela Biblioteca Pública do Paraná na década de 1980, retomado em 2011, com a participação de autores brasileiros de variadas gerações, entre os quais João Gilberto Noll, Michel Laub, Elvira Vigna, Marçal Aquino, Luci Collin, Reinaldo Moraes e Paulo Scott. Os depoimentos são gravados e, posteriormente, publicados no jornal Cândido e editados em formato de livro pelo Núcleo de Edições da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná.

COMPARTILHAR

ENVIE SEU COMENTÁRIO

NOME:
EMAIL:
MENSAGEM:
*Seu comentário será avaliado e aprovado antes de ser publicado. E somente aprovaremos comentários com o nome completo e o e-mail do leitor.
- As informações e conceitos emitidos em colunas, matérias e artigos assinados são de inteira
responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente a opinião do Plantão da Cidade.