Cesta básica registra alta em setembro

A cesta básica do ponta-grossense registrou alta de 2,57%, em setembro, de acordo com levantamento do Núcleo de Políticas Públicas Rouger Miguel Vargas (NPPRMV) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O custo médio da cesta básica em supermercados da cidade passou de R$ 533,29 (valor de agosto) para R$ 547,01. Trata-se da primeira alta, após cinco meses consecutivos de queda, conforme pode ser verificado no endereço http://pitangui.uepg.br/servicos/cestabasica/.

O Índice Cesta Básica (ICB) é aferido mensalmente pelo Núcleo de Políticas Públicas da UEPG, com base nos hábitos de consumo (alimentação, higiene e limpeza) de famílias residentes em Ponta Grossa, com até três membros e renda salariam de um a cinco salários mínimos. Os preços praticados nos supermercados da cidade na primeira semana de cada mês são comparados com os valores de igual período do mês anterior.

De acordo com a pesquisa de setembro, dos 34 produtos da cesta básica, 18 tiveram elevação de preços; e 16 apresentaram queda. O tomate foi o produto que mais aumentou, com índice de 24,45%; e a cebola o item com maior retração, 19,38%. Ambos pertencem ao grupo hortifrutigranjeiros, cujos preços subiram em média 1,48%.

No grupo alimentação gera, os valores subiram 1,27%, com destaque para o pão que registrou alta de 7,23%; e a bolacha, com redução de 9,35%. Entre os itens de alimentação, a carne também registrou alta, com índice de 8,87% Neste grupo, a carne de frango teve o maior aumento, 9,02%; e a carne bovina, a menor alta, 8,82%.

O aumento se refletiu também nas seções de produtos de higiene e de limpeza. Entre os itens de higiene, o acréscimo foi de 0,01%, destacando o papel higiênico, com alta de 6,82%; e o creme dental, com redução de 10,18%. Nas prateleiras de produtos de limpeza, a alta foi de 1,45%. O desinfetante subiu 6,78%; e o amaciante teve os preços remarcados para baixo, 5,95%.

Conforme os dados levantados em setembro, para adquirir todos os produtos da cesta básica, uma família com renda de um salário mínimo (R$ 937,00), gastaria 58,38% do orçamento da casa. Restariam 41,62% para as demais despesas da família. No caso de famílias com renda mensal de dois, três, quatro e cinco salários mínimos, a despesa com a cesta básica seria de 29,19%; 19,46%; 14,59%; e 11,68%, dos respectivos orçamentos.

VARIAÇÕES

Grupo que mais aumentou: Grupo carne – 8,87%

Produto de maior elevação: Tomate – 24,45%

Grupo de maior queda: Não houve queda

Produto de maior queda: Cebola 19,38%

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: